fbpx

A quebra da resistência como combustível para novas oportunidades

ARTIGO SEMANA "E AGORA?" MCF Consultoria

Por Leandro Crepaldi

 

De um dia para o outro a problemática do COVID19 trouxe impactos drásticos na rotina de todos nós. O mundo parou, a maneira de trabalhar mudou, as marcas foram profundamente impactadas e um posicionamento mais claro passou-se a ser exigido, mas E AGORA?

Este foi o tema escolhido da série de LIVES INSPIRAÇÕES conduzidas por Ferreirinha durante 06 noites, sempre às 18h, entre os dias 25 e 30 de maio de 2020. Foram seis nomes brilhantes, de diferentes segmentos e até mesmo nacionalidades, que nos presentearam com depoimentos genuínos, marcados por uma perspectiva unânime do olhar para oportunidades definitivamente inspiradora no cenário conturbado atual.

Ferreirinha desde o início da quarentena vem trazendo a reflexão de que parte das decisões que são ou serão tomadas agora já deveriam ter sido consideradas de forma mais relevante no passado. Em nosso primeiro WEBINAR 3Rs: Resiliência, Ressignificado e Reação realizado em nosso canal do Youtube e ainda disponível com quase 10 mil visualizações até o presente momento, ele abriu o evento com a brilhante frase de TOFLER: “Os analfabetos do século 21 não serão aqueles que não sabem ler e nem escrever, mas aqueles que não sabem aprender, desaprender e reaprender”. Novos tempos, nova era. Como bem pontua Ferreirinha: “Mais do que nunca, faz-se necessário reformatar nossas verdades, nossas certezas e nossas seguranças”

Essas e outras reflexões foram sendo trazidas ao longo das mais de 50 LIVES e WEBINARS realizados nos mais diversos segmentos nos últimos 3 meses. Além disso, sua contribuição em treinamentos “fechados” de equipes confinadas no “novo normal” também foi algo corriqueiro, englobando empresas como TOK&STOK, SEBRAE Paraná, SEBRAE DF, LOUIS VUITTON, BURBERRY, HUGO BOSS, Grupo L’ORÉAL, HERING. ÁGUA DE COCO, Grupo AREZZO, dentre outras.

Outros pontos destacados ao longo dos últimos meses:

• A Era do Click: de uma hora para outra tudo o que precisamos está à distância de um click: Spotify, iFood, Uber, Waze etc.
• Diálogo mercadológico com o cliente passou a ser quase que exclusivamente pelo digital e quem não tinha presença perdeu espaço
• A urgência do atendimento experiência: que precisa gerar conexão mesmo à distância, mas que foi negligenciado no que se refere ao treinamento oferecido a suas equipes
• Novos perfis, novas forças de consumo e novas influências: “os dados são o novo petróleo” e até aqui não se investiu realmente na qualificação e segmentação dos dados para um approach mais direcionado
• Diversidade & inclusão: Houve muita letargia para dialogar com o “novo”, com o “diferente” e agora haverá uma pressão maior para dialogar apro LINK DA MATÉRIA


Coerência e propósito no impulsionamento do consumo

ARTIGO SEMANA "E AGORA?" MCF Consultoria

Por Leandro Crepaldi

 

A sexta e última noite de convidados da semana E AGORA teve o prazer de receber uma das executivas de maior destaque no país. Após estar à frente do marketing da HEINEKEN por um período de 06 anos, onde recebeu inúmeros prêmios de reconhecimento por sua atuação, DANIELA CACHICH é atualmente Vice-Presidente de Marketing da PEPSICO Foods Brasil e uma das profissionais mais influentes do mercado. Ferreirinha recebeu a executiva para um bate-papo focado nas oportunidades e desafios no novo momento.

Daniela compartilhou seus marcos e legado profissional na UNILEVER com o case DOVE para a beleza de mulheres reais. Na PEPSICO, a executiva ressalta que o seu desafio tem sido construir marcas que alinhem CRIATIVIDADE E RAZÃO DE SER. COERÊNCIA E PROPÓSITO são atributos que quando presentes auxiliam significativamente na tomada de decisão por meio ações que possam trazer um real impacto na sociedade.

Interessante perceber, como bem pontua Ferreirinha, que COERÊNCIA E PROPÓSITO são traços marcantes de todos os trabalhos onde Daniela atuou e é exatamente dessa maneira que ele a questiona. “O que te incentiva a ir além na sua busca constante pela luta da diversidade, empoderamento feminino ou direito das minorias”?

A executiva brilhantemente pontuou que talvez essa seja sua MISSÃO DE VIDA: retribuir à sociedade os privilégios recebidos para àqueles que poucas oportunidades tiveram. “O meu exercício diário ao trabalhar com uma marca é me perguntar: o que mais eu posso fazer?” Um despertar iniciado em seu trabalho, como dito anteriormente, com a marca DOVE na Unilever onde seu objetivo foi muito maior do que vender sabonete, sua missão acabou sendo trabalhar a autoestima da mulher brasileira. “

Obviamente nem tudo são “flores”, foram muitos os desafios enfrentados ao longo da carreira, principalmente pelo universo majoritamente MASCULINO nas rodas dos grandes executivos de mercado. No entanto, para citar uma das grandes lições aprendidas: “Se eu quero provocar uma mudança eu preciso mostrar que isso gera resultados”.

A executiva vai além ao discutir a importância da criação de metas corporativas para mulheres em cargos de liderança. Se não houver objetivos claros dentro de cada companhia o cenário não tende a mudar por si só. A PEPSICO por exemplo tem hoje 44% de mulheres na liderança e já se comprometeu a chegar nos 50% até 2025.

A reflexão toda trouxe a questão sobre o que o futuro nos reserva. Qual seria a perspectiva na visão da executiva em relação a temas tão alarmantes? A resposta veio da seguinte forma: “Tudo depende das pessoas, do papel de cada um como sociedade e principalmente do impacto da educação nessa evolução”. Daniela comentou ainda que LINK DA MATÉRIA


O digital e o novo normal

ARTIGO SEMANA "E AGORA?" MCF Consultoria

Por Leandro Crepaldi

 

A quinta noite da semana E AGORA? LIVES INSPIRAÇÕES da MCF Consultoria trouxe Daniel Funis, Vice-Presidente da FARFETCH, a mais importante plataforma global de vendas online de marcas de Luxo e moda, um case mundial criada pelo português, José Neves.

A marca tem escritório em mais de 15 países, cerca de 4000 colaboradores, comercializa produtos em quase todas as regiões do mundo, é a plataforma oficial de algumas marcas e operações de Luxo como o caso da Harrods em Londres e teve o Brasil como o primeiro país emergente a contar com um escritório seu em 2010, com 150 profissionais.

Cabe ressaltar ainda toda movimentação de mercado que a plataforma tem feito nos últimos anos. Ela é hoje detentora da New Guards Group (NGG), empresa que licencia, produz e distribui marcas de streetwear como Off-White, Heron Preston e Palm Angels. Além disso também adquiriu a Browns e a plataforma chinesa JD.com, além de criar joint ventures com outros marketplaces, como a Dover Street Market. Por fim, com o olhar sempre pautado na inovação criou o projeto “store of the future” com a Chanel e é a responsável pela Platforme, sediada em Londres dedicada à tecnologia da indústria da moda.

No cenário pré-covid19 o Brasil era o quinto país em volume de vendas, sendo que a América Latina como um todo apresentava um bom crescimento. China sempre foi um grande destaque e o cenário atual irá distanciá-los ainda mais das outras posições.

Indo além na América Latina, Daniel ressaltou que a FARFETCH passou a apresentar melhores resultados no México a partir de 2017 e que hoje o país é muito forte no mobile, inclusive contando com volumes de vendas mais expressivas neste canal por lá do que no Brasil. Outro fato curioso foi o consumo de moda masculina por mexicanos. A proporção homem/mulher no México é muito mais próxima do que se encontra nos demais países do mundo e, bem acima do homem brasileiro.

Apesar da marca estar mais bem preparada para o cenário atual em termos de tecnologia e até na dinâmica do home-office, o mercado mais cauteloso resultaram em quedas iniciais. No entanto os números hoje encontram-se de certa forma estáveis em razão do crescimento de novos clientes.

Principais aprendizados destacados:
• Agir com mais CALMA e MENOS IMPULSIVIDADE já que não temos respostas prontas
• Estabelecer OBJETIVOS CLAROS, de curto prazo e sempre tendo em vista à saúde das pessoas
• Dar SEGURANÇA e MANTER CONTINUIDADE nas operações, principalmente para os parceiros e marcas que dependem da FARFETCH para terem algum retorno financeiro

Foi importante notar que apesar das grandes quedas iniciais o período foi marcado por uma retomada significativa mais rápida do que o executivo imaginava. No período a equipe da FARFETCH i LINK DA MATÉRIA


Os ingredientes necessários para manter-se relevante no amanhã

ARTIGO SEMANA "E AGORA?" MCF Consultoria

Por Leandro Crepaldi

 

AUTENTICIDADE, VERDADE E TRANSPARÊNCIA: Foram estes os três pilares mencionados por Ferreirinha logo no início do quarto dia da semana E AGORA? LIVES INSPIRAÇÕES da MCF Consultoria. O programa foi estrategicamente desenhado como nossa maneira de contribuição para ampliar discussões de mercado em diferentes temas de grande relevância, sempre com o cuidado de promover reflexões que pudessem resultar em aprendizados para qualquer segmento de atuação.

Foi dessa forma que Ferreirinha revelou ao mercado o grande nome que manteve como surpresa durante os últimos dias: Dona Carmen Virgínia, mulher, negra, da favela, gastrônoma, pesquisadora e proprietária do restaurante em Recife - Pernambuco, o ALTAR COZINHA ANCESTRAL. Ela também é jurada dos Cozinheiros em Ação na GNT e Famílias Frente a Frente no SBT. O objetivo foi trazer um panorama sobre a comida “afetiva” e o impacto do cenário atual na atividade.

Ferreirinha iniciou o bate-papo ressaltando a admiração pelo cuidado e conscientização que Dona Carmen Virgínia vem trazendo em seus posicionamentos. A Chef relatou que “nasceu para cuidar de pessoas” e que “minha necessidade nunca pode vir à frente da saúde de meus funcionários”. Faz-se necessário pensar no outro em cada tomada de decisão. Reforçou a importância do lado altruísta, de amor, afeto e empatia de sua equipe e o quanto valoriza o fator humano antes mesmo de qualquer talento profissional. O profissional ao seu lado nunca deveria ser considerado apenas uma mão-de-obra, não há mais espaço para isso.

“Quem sou eu? O que eu quero ser na vida? Como eu quero ser vista?” Dona Carmen seguiu trazendo reflexões que devem fazem parte da vida de todo empresário. O cenário atual acelerou ainda mais mudanças que já vinham ocorrendo antes. A sociedade irá cobrar um posicionamento mais claro de todos. Qual o seu propósito? Qual a sua verdade?

Com seu restaurante fechado, a empresária optou por não trabalhar no formato delivery para não colocar em risco sua equipe, apesar de todas as dificuldades em se manter. Compartilhou a sua história de vida e os sonhos alcançados na carreira, como aparecer na televisão ou promover o último jantar no Palácio da Alvorada para a ex-presidente Dilma. Relatou ainda as dificuldades enfrentadas por sempre optar por ser TRANSPARENTE e falar com VERDADE, sofrendo bastante com o racismo e a intolerância religiosa até hoje por trabalhar com a cozinha “DOS ORIXÁS”.

Ferreirinha questionou também sobre como seria transitar entre mundos tão distantes já que D. Carmen tem um relacionamento bem próximo com muitas celebridades e pessoas da alta sociedade, apesar de ainda morar na favela. A Chef, com muita simpatia, trouxe uma frase que sua avó sempre dizia: “Procure o seu lugar”. Sua postura LINK DA MATÉRIA


O protagonismo da saúde pode fazer com que a posse volte a ser relevante nos próximos anos

ARTIGO SEMANA "E AGORA?" MCF Consultoria

Por Leandro Crepaldi

 

A início da retomada de abertura do mercado asiático demonstrou que a preocupação com a higiene e os novos protocolos de saúde pode causar um impacto significativo no segmento automobilístico. O compartilhamento de veículos passou a ser visto com cuidado redobrado e a posse, até então em queda, passa a ser repensada.

Este e outros pontos foram debatidos no terceiro encontro da SÉRIE E AGORA? DA MCF CONSULTORIA. Ferreirinha recebeu na noite do dia 27.05 o Presidente da MERCEDES-BENZ Cars & Vans Brasil e MBC America Latina e Caribe, Holger Marquardt, um alemão radicado no país, com português fluente e alegria latente para um bate-papo sobre o panorama atual, no Instagram @carlosferreirinha.


Foi destacado o fato de ter sido uma MERCEDES o primeiro carro produzido na história e além disso, uma mulher, Bertha Benz, a primeira pessoa a dirigi-lo. Holger inclusive compartilhou que a marca possui uma Plataforma de empoderamento feminimo chamada She’s Mercedes tendo Bertha como grande símbolo.

O executivo da marca mencionou que apesar de todas as concessionárias terem estado fechadas em algum momento, deve ser reconhecida a capacidade do ser humano de se reinventar em períodos de grandes dificuldades. A Mercedes-Benz por exemplo hoje promove cerca de 500 mil skypes conferences por semana entre suas equipes, o que de um dia para o outro se tornou ferramenta fundamental.

Pontua também a criatividade por parte das concessionárias e profissionais na criação de vídeos e ações para apresentar o veículo sem a necessidade de o cliente sair de casa.

A troca que durou quase uma hora também permeou assuntos como a questão da relevância do automóvel nas próximas décadas.

Holger surpreendeu a todos ao afirmar que a marca assumiu o compromisso de neutralizar suas emissões de carbono até 2039, em menos de 20 anos, por meio da produção de um portfólio de automóveis 100% elétricos. Trata-se de um período muito curto se pensarmos na mudança por completo na cadeia como um todo.

Um outro ponto levantado foi a pressão das grandes cidades do mundo para que o carro não circule nas principais vias. Ferreirinha questionou como a marca considerava a questão. Holger trouxe a reflexão de que muitos planos podem mudar após a pandemia e que a empresa está sempre atenta a todos esses pontos na elaboração da sua estratégia de comunicação e inovação. Independentemente dessas mudanças serem permanentes ou não, Holger acredita que o futuro passa a ser mais cauteloso daqui pra frente.

Key learnings também destacados:

• A importância à leitura dos olhos no atendimento ao cliente: com o uso das máscaras a conexão com o olhar se tornará ainda mais relevante
• Concessionária não é mais showroom: deverá promover um LINK DA MATÉRIA


Um olhar para oportunidades no cenário hoteleiro pós-Covid19

ARTIGO SEMANA "E AGORA?" MCF Consultoria

Por Leandro Crepaldi

 

A ACCOR, um dos cinco grandes líderes mundiais no segmento de hotelaria com cerca de 5000 hotéis ao redor do mundo e no Brasil com atualmente 35 hotéis de Luxo (eram apenas 09 seis anos atrás), foi a empresa convidada a contribuir com as discussões do segundo dia da SEMANA E AGORA? da MCF CONSULTORIA. Ferreirinha conversou com o Phillipe Trapp, COO Luxe & Lyfestyle Brands South America, que desde o início trouxe uma perspectiva sempre positiva das lições aprendidas para o que vem a seguir.

“Com inovação, empenho das equipes e criatividade, estamos criando experiências e produtos que se adequem à necessidade do momento”

O executivo ressalta a importância de reconhecermos que o cenário atual é processo de aprendizagem contínua, onde não há regras claras. O caminho é desenhado no decorrer da caminhada. É preciso caminhar sem olhar para o passado, vislumbrando o amanhã de forma mais positiva.

A retomada do mercado asiático demostrou que as categorias econômicas foram as que apresentaram um crescimento mais rápido. O mercado de Luxo será o último a reagir, parte em razão pelas diversas restrições e até a diminuição da malha aérea que está bem comprometida. Outro fato apontado se refere a ocupação de resorts e hotéis voltados ao público de finais de semana ou lazer. Os primeiros levantamentos já demonstram uma forte retomada nos mercados com abertura recente. O escapismo passa a ser um dos grandes fomentadores do turismo mundial.

Interessante perceber que grande parte dos deslocamentos passará a ser realizado de carro em um primeiro momento. Phillipe afirmou que a zona primária em um raio de 500km deverá ser o grande foco de qualquer operação hoteleira. Além disso, a duração da estadia tem uma tendência de ser aumentada, tanto no lazer quanto no corporativo. As operações que proporcionarem um ambiente adequado para atender uma rotina de trabalho também durante a estadia de laser poderão ter um grande destaque nos próximos meses.

Uma série de alternativas precisa ser considerada dentro dessa nova dinâmica. O executivo menciona a questão de uma certificação que será implementada em todos os hotéis para comunicar e dar mais segurança ao hóspede. Menciona ainda a implementação de cardápios com leitura por QR para evitar o manuseio dos mesmo e a adoção de protocolos rígidos de higiene. São ações sempre coordenadas junto aos órgãos locais de saúde que inclusive tem por vezes potencial de gerar novas oportunidades de conexão com o cliente.

O período pressupõe uma transformação no modelo de experiência e de entrega. O turismo de negócios e lazer pode começar a se fundir em uma versão híbrida, onde famílias terão a possibilidade de permanecer por um período mais longo e ter um quarto alugado para LINK DA MATÉRIA


Portugal Clean & Safe: O principal case de sucesso no turismo mundial

ARTIGO SEMANA "E AGORA?" MCF Consultoria

Por Leandro Crepaldi

 

Com um propósito claro e definido, tendo como principais bandeiras: O RECEBER BEM E O RESPEITO ÀS DIFERENÇAS, o Turismo de Portugal se tornou um case global dentro do seu segmento. Eleito como o Melhor destino turístico do mundo pelo terceiro ano consecutivo pelo World Travel Awards em 2019, o país se torna agora também referência em suas medidas responsivas ao cenário atual.

Luis Araujo, presidente do Turismo de Portugal e um dos nomes mais importantes na atividade do turismo no mundo, foi o primeiro convidado da MCF Consultoria dentro da semana E AGORA? Tratam-se de 07 noites de inspiração, realizadas entre os dias 25 e 31 de maio, de bate-papo exclusivo com Ferreirinha e gestores globais por meio de LIVES no instagram @carlosferreirinha

Estruturalmente sólido do ponto turístico, com uma coordenação exímia entre o setor público e o setor privado, pautado em uma excelente infraestrutura, equipamentos modernos e eventos de grande relevância internacional, o país avança em seus números, ano após ano, tendo sempre a AUTENTICIDADE como grande pilar de sustentação de todas as experiências promovidas.

Somente em 2019 o país recebeu cerca de 27 milhões de turistas, sendo 2/3 compostos por estrangeiros e 1/3 por turistas nacionais, em um crescimento de cerca de 60% em 04 anos (cerca de 14% do PIB). A estratégia vem ao longo dos anos apostando na diversificação de mercados para atrair um maior número de visitantes. Americanos e chineses têm descoberto mais e mais as maravilhas da terra do Fado e do aclamado pastel de Belém. Além disso os brasileiros hoje já representam quase 1 milhão de turistas no país, alcançando a quinta posição.

Dentre as medidas implementadas, Luis mencionou que o primeiro passo foi instituir uma estratégia de ações de curto prazo, estruturado em três grandes blocos:

• Empresas: dar apoio, transmitir segurança, com detalhado plano desenhado para a reação e a retomada
• Turistas: transparência, fornecer o máximo de informações possíveis, demonstrar cautela com a questão
• Residentes: colocar o segmento ao lado da problemática por meio de ações solidárias, dar apoio às equipes de saúde e demonstração plena de apoio e solidariedade

O dia 01 de junho marca a data de uma abertura mais ampla de todas as atividades no país e o dia 06.06 é o dia oficial da abertura da época balnear. Bares, restaurantes e locais de eventos terão sua capacidade reduzida, mas Portugal estará oficialmente ABERTO para receber de volta seus turistas. Inúmeros fatores externos irão impactar na retomada. A Espanha por exemplo continua com as fronteiras terrestres e aéreas fechadas com o país e a malha área tomará algum tempo para retomar a frequência de voos antes praticada. Para Luis, ao menos uma coisa é LINK DA MATÉRIA


Transformações: A necessidade da autonomia no mundo do trabalho – Marina Senna

INTRODUÇÃO


Neste contexto de transformações do mundo e das relações pós-pandemia, é preciso MATURIDADE. As profundas e essenciais mudanças devem ser discutidas com transparência e seriedade por funcionários e empresários. É preciso se preparar para as novas relações de trabalho, mudanças de ambiente, a chegada do home office e a questão da produtividade num mundo tão diferente.

 

AUTONOMIA X INTERDEPENDÊNCIA

A relação de trabalho no Brasil traz diversos aspectos históricos, sociológicos, estruturais e psicológicos que podem embasar uma discussão profunda e interessante. Mas trago aqui uma linguagem mais pragmática, embasada na vivência e na liderança frente a diversos projetos estruturais de desenvolvimento humano no varejo, uma área muito sensível e atingida de forma tão drástica com essa pandemia. As estruturas das organizações são verticais. Isso sustenta uma relação tutelar, onde de um lado você tem alguém que “manda” que “dita” o que fazer e abaixo profissionais, muitas vezes não qualificados, para “obedecer” o que deve ser feito. Essa leitura simplista da relação diz muito dos problemas que as empresas e os profissionais encontram no mundo de hoje para se transfomar: 1. A falta de AUTONOMIA dos profissionais 2. A inconsistência do propósito e valores que guiam a companhia 3. A incapacidade das empresas criarem comunicação e parâmetros claros para orientar a todos de forma consistente a organização 4. Os profissionais que enxergam a relação de trabalho de forma “paternal” e “passiva”
Tudo isso resulta em uma profunda relação de VÍTIMAS E CULPADOS Esse desafio torna a realidade de criar relações INTERDEPENDENTES uma profunda mudança que arrisco propor caminhos:
Para as empresas, é mais que urgente definir seu propósito de forma clara, acessível e verdadeira. E esse propósito deve estar traduzido de fato em todos os processos internos, como comunicação, estrutura e, principalmente, na clareza do caminho a ser conduzido. A transparência é fator crucial na trajetória, seja para assumir os problemas, seja para ajudar os times a contribuírem e terem consciência da responsabilidade de cada um dentro do todo, que é a companhia. Para o processo de transformação é essencial mudar a forma de treinar suas equipes. Não é mais um processo passivo de quem sabe e transmite
para quem não sabe. É uma construção de conhecimento através de projetos. É delegar grandes responsabilidades a times em diferentes níveis hierárquicos, deixando que eles assumam com AUTONOMIA e compromisso a responsabilidade que cabe a cada um dentro da organização.
Para os profissionais, é hora de assumir a  responsabilidade do papel que cada um tem e representa dentro das empresas. Não há mais espaço do “culpado”. É tempo de amadurecer, pedir ajuda, buscar con LINK DA MATÉRIA


de | para – Edição #4 Especial MCF

É uma verdadeira honra compartilhar um DE | PARA com a MCF. Lugar mais que especial, onde passei 12 anos de minha jornada profissional e sou grata pelos aprendizados, desafios e infinitos momentos inesquecíveis!   100 dias de confinamento, quem diria que estaríamos 3 meses distantes de nossa rotina!   Como somos adeptos a olhar o copo ½ cheio, nos agarramos aos diversos conteúdos disponíveis na ponta de nossos dedos. O desafiador foi escolher em qual Live ou Webinar nos conectarmos!

É com carinho que compartilhamos alguns insights destes 3 meses de isolamento social e infinitas trocas e conversas.

KEY POINTS

#1 – ENCONTRO COM O ESSENCIAL

Nestes 100 dias passamos por tantos humores que já podemos escrever um paper apenas direcionado a montanha russa emocional.  Entre os momentos de reflexão e de conexão conosco mesmo, acredito que todos fomos confrontados com o questionamento DO QUE NOS É ESSENCIAL.   Fomos convidados a entender quais as nossas prioridades. De quais pessoas queríamos estar próximos (nem todos poderíamos acessar), quais investimentos deveriam ser mantidos, quais linhas de despesa seriam cortadas e tantas outras escolhas a serem realizadas. No pessoal e no profissional. O livro de Greg McKeown, Essencialismo, teria sido uma leitura obrigatória se soubéssemos o que viria pela frente.

E neste processo do essencial, também tivemos que aprender a desapegar de nossas histórias de sucesso e revisitar os negócios, afinal, o que deu certo por toda uma vida, pode não ser mais relevante para este momento.   Um dos melhores cases de desapego que vimos, veio na troca entre   Maurício Benvenutti (@MauricioBenvenutti) da StartSe e Fernando Toti (@fetoti) da UpSampa (@upsmapa), sobre o desafio de não ser apegado ao negócio e compreender que os movimentos de disrupção  acontecem quando empresas não têm a coragem (é esta palavra mesmo... CORAGEM) de olhar os movimentos de mercado, compreender as novas demandas, olhar por outras lentes e fazer as mudanças necessárias.   Fernando Toti trouxe a experiência em mudar seu negócio em 9 passos, e com muita propriedade pode explorar os desafios e dores de realizar uma mudança desta proporção. Ele mesmo “matou sua empresa” para dar espaço a uma nova iniciativa, no mesmo mercado que já atuava.
A reflexão que fica é se você já compreendeu o que é realmente essencial e se já teve a coragem de se desapegar! Lendo na frase, até parece fácil (#sqn!)

 

#2 – PROPÓSITO

Você já se perguntou o que faz empresas/marcas agirem rapidamente em momentos de crise, agregando valor aos colaboradores, clientes e sociedade e o que faz outras tantas congelarem? Claro que o tema deste Insight já entregou... mas é sempre bom compreender a profundidade deste ponto.   O tema não é novo, longe disso, falamos de Propósito há mais de LINK DA MATÉRIA


O DISTANCIAMENTO SOCIAL E OS ESPAÇOS FISICOS – Rafaela Dal’Maso

Repentinamente, nossa relação com os espaços físicos foi totalmente alterada com a presença no novo coronavírus. Da liberdade de ir e vir e fazer uso dos espaços que considerávamos pertinentes ao nosso estilo de vida, tivemos que, rapidamente, aprender sobre distanciamento social. Mesmo com a flexibilização desse distanciamento, algumas medidas para conter a transmissão do vírus são, e continuarão sendo, uma realidade até que a doença deixe de ser um risco.Os espaços físicos e a arquitetura estão se adaptando de maneira criativa, estratégica e lúdica para garantir socialização e o retorno gradativo às atividades. Mesmo com os melhores instrutores de atividade física à nossa disposição 24 horas, por meio de  aplicativos e lives, para fazermos as atividades em casa, muitos de nós não viam a hora de voltar aos espaços coletivos e presenciais como academias e estúdios. E a solução encontrada pela Inspire South Bay Fitness, em Redondo na Califórnia, foi a criação de caixas transparentes individuais para que as pessoas possam manter distanciamento social e não espalhar gotículas de suor pelo ambiente da academia. Cada cabine tem todos os equipamentos necessários para a sequência de exercícios então, a pessoa não precisa ficar indo de um lado a outro da academia para se exercitar. Dentro dos espaços, também há produtos desinfetantes para que as pessoas possam se higienizar depois do treino. O studio canadense Lmnts Outoor está oferencendo uma serie de aulas de Hot Yoga e fitness em parceria com outros estúdios e instrutores em bolhas. Sim, bolhas! São 50 redomas transparentes com pouco mais de 2 metros de altura e 3,5 metros da largura. A estrutura é climatizada, o que é importante para a prática da Hot Yoga, realizada em temperaturas mais altas. As bolhas apresentam iluminação para permitir aulas à noite também. Outro hábito totalmente alterado durante a pandemia foi a proibição de frequentar espaços culturais coletivos como cinemas, teatros e museus. Atividades que mesmo diante da possibilidade de visitas virtuais, como os museus têm feito, ou da apresentação de conteúdos ao lar livre como nos drive-in de cinema, não superam a experiencia presencial. A adaptação da volta dessas atividades têm sido curiosas. A companhia de teatro Alemão Berliner Ensemble, em sua volta, retirou a maior parte de seus assentos do Theater am Schiffbauerdamm. As poltronas estão dispostas em dupla ou individualmente e as fileiras intermediarias foram retiradas. Assim irá permanecer o teatro para a próxima temporada. Já o cinema MK2 em Paris, na França, foi criativo e colocou os Minions ocupando 60% das poltronas para manter o distanciamento social entre os espectadores e manter a platéia "cheia" e alegre. Enquanto se prepara para o retorno de suas atividades, a Ópera do Gran Teatre del Liceu ensaia diante de plantas para conscientizar sobre presença da plateia, em Barcelona LINK DA MATÉRIA

Contato

CAPACITAÇÃO
Leandro Crepaldi
leandro.crepaldi@mcfconsultoria.com.br
+55 11 97333 – 2750